Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Afinal, o que é literatura fantástica?

Literatura Fantástica

Por Equipe Literatura Fantástica Brasileira.

Com tanta porcaria roubando a cena da literatura brasileira parece que gradativamente o blog acabou deixando de lado o gênero que o nomeia: a literatura fantástica brasileira.

Então deixemos um pouco de lado o lado medíocre da literatura e vamos levar um pouco de informação aos leitores.

Engraçado como muita gente ainda não compreende direito que estilo literário o gênero "literatura fantástica" abrange, então vamos jogar um pouco de luz sobre o assunto, ainda que logo na primeira postagem do blog tenha-se feito isso, mas tentarei ser menos rebuscado e mais direito.

A literatura fantástica, intimamente ligada ao fantástico, se relaciona a tudo aquilo que é gerado pelo imaginário, ao que não pertence à realidade convencional, àquilo que não é palpável.

Vampiros, lobisomens, ogros, fadas, monstros e seres imaginários de todo o tipo, assim como árvores, pedras e animais que possuem o dom da fala são alguns dos elementos que normalmente estão presentes em obras englobadas nesse gênero literário.

São personagens que não podem ser definidos como reais ou que, pelo menos, não estão enquadrados dentro daquilo que convencionalmente denomina-se como normais, com os quais nos relacionamos cotidianamente.

O gênero fantástico possui basicamente três vertentes: a ficção científica, a fantasia e o horror, embora alguns afirmem, e com razão, que obras ligadas à ufologia também possam ser incluídas dentro dele.

Mas então algo me vem à mente: uma obra de mil páginas, por exemplo, cujo enredo nada tenha a ver com literatura fantástica (chick lit, por exemplo), mas que possui uma única cena, de dez páginas, que seja, que se encaixe dentro das características do gênero fantástico (como uma conversa com uma assombração) pode ser incluída dentro da literatura fantástica?

É algo bastante complexo e que nos leva a muita divagação a respeito e gera muita controvérsia.

Enfim, recentemente temos vários autores se destacando dentro do gênero fantástico e posso citar alguns já consagrados como J. R. R. Tolkien, escritor de O Senhor dos Anéis, O Silmarillion, O Hobbit, Sobre Histórias de Fadas, As Aventuras de Tom Bombadil, Roverandom e The Children of Húrin, George R. R. Martin criador das obras A Morte da Luz, As Crônicas de Gelo e Fogo, Wild Cards, Night of The Vampyres, Shadow Twin, The Ice Dragon, A Song for Lya, Songs the Dead Men Sing, Fevre Dream e Songs of The Dying Earth, sem nos esquecermos de J. K. Rowling, autora de todas as obras do universo de Harry Potter e C. S. Lewis, que deu vida ao mundo de Nárnia.

Mas não são apenas autores estrangeiros que abordam o tema, aqui no Brasil também temos Raphael Draccon com seus Dragões de Éter (três volumes), Fios de Prata - Reconstruindo Sandman, Espíritos de Gelo e os dois volumes do Legado Ranger, além de Eduardo Spohr com as obras A Batalha do Apocalipse, Filhos do Éden: Herdeiros de Atlântida e Filhos do Éden: Anjos da Morte.

Não podemos, claro, nos esquecer de André Vianco, cuja história literária inspirou inúmeros autores a adentrarem o meio, talvez muito mais do que com suas obras O Senhor da Chuva, os Sete, Sétimo, O Vampiro-Rei e tantos outros, até seu mais recente: Estrela da Manhã.

Outros nomes, que acredito devam ser mencionados e desconheço o motivo de normalmente não o serem quando se fala de literatura fantástica são Leonel Caldela, com sua ótima trilogia Tormenta, que abrange os livros O Inimigo do Mundo, O Crânio e o Corvo e O Terceiro Deus, além de diversas outras ótimas obras como O Caçador de Apóstolos e Deus-Máquina.

Também devo mencionar Eric Novello, autor das interessantes obras Dante, o Guardião e Neon Azul.

Por último cito um autor que recentemente despontou dentro do cenário fantástico, mas com livros mais voltados ao horror: César Bravo, que escreveu ótimas obras como Calafrios da Noite, Além da Carne e Caverna de Ossos, excelentes para quem não gosta de dormir bem.

Existem muitos autores ligados ao gênero fantástico atualmente e realmente deve ser difícil para os editores “peneirarem” dentro dessa avalanche de autores quem deve ou não fazer parte do “casting” da sua editora.

Porém, como não posso deixar de dar meu “pitaco”, creio que eles devessem se ater exclusivamente à qualidade das obras dos autores e não ficarem dando ouvidos às panelinhas, àquela meia-dúzia que deseja apenas arrumar uma teta para seus colegas ao invés de oferecer algo realmente bom aos leitores.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com


Um comentário:

Pode chorar...