Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Quais suas pretensões literárias?

Escritora hot em ação



Por Equipe Literatura Fantástica Brasileira.

Ao decidir ingressar no mundo literário o que você tem em mente?

Contar histórias interessantes aos leitores?

Transmitir conhecimento?

Passar o tempo?

Ganhar fama e dinheiro?

Fazer papel de trouxa?

Transar com seus leitores(as)?

Pagar as contas?

Fazer papel de puta?

Não importa qual tenha sido a sua resposta, cada um sabe onde seu calo aperta, possui seus próprios anseios na vida, mas isso não me obriga a concordar com suas escolhas e atitudes.

Percebi que nos últimos tempos muitos escritores deixaram de lado a escrita, cada um alegando seus próprios motivos para tomarem essa decisão, e confesso que no lugar deles acho que também teria largado de mão isso tudo.

Deve ser frustrante ter seu trabalho preterido por outro de qualidade razoavelmente inferior, mas que é enaltecido pelo fato do seu autor adotar práticas nem sempre louváveis para promover o que escreve.

Me absterei de citar nomes, até mesmo porque quem possui o mínimo de familiaridade com o meio literário sabe a quem e a o que me refiro, além do mais a matéria "fala por si", se é que me entendem.

Como disse antes, cada um faz o que lhe convém, se isso lhe traz paz de espírito, mas ninguém é obrigado a concordar com certas práticas, muito pelo contrário, quem se expõe de maneira pública tem que estar preparado tanto para as flores quanto para as pedradas.

Se você é incapaz de lidar com críticas então é melhor procurar outra coisa para fazer, tipo, plantar batatas, é uma boa opção.

E não adianta vir aqui encher o saco nos ameaçando com processo, o Brasil vive (ainda) em um regime democrático, portanto somos livres para expressarmos nossas opiniões por mais que elas te esculachem, afinal, se falamos da sua pessoa é porque fez (e provavelmente ainda está fazendo) por merecer.

Não falo por todos da equipe, mas pelo menos eu sou do tempo em que um livro se tornava famoso pelo seu conteúdo, pela mensagem que transmitia, sua linguagem bem trabalhada, em muitos casos inovadora, e não pelo fato do seu autor se vestir de palhaço, fazer fotos "hot" e disseminá-la internet afora ou ser puta e simplesmente baba-ovo de editor.

Me deparo com situações que me causam profunda vergonha alheia, principalmente gente que se considera autora, escreve livros que aparentemente foram digitados com uma mão só (a outra se ocupava tocando a genitália, dela ou alheia) levanta bandeiras da moda como as em defesa das obesas, das solteironas, das feias, das bichas ou da puta que o pariu e, graças à essa merda toda, vendem seus livros para leitoras que nada são além de mulheres mal-amadas (leia-se mal-comidas) que se identificam com essas bandeiras levantadas e agitadas.

Resumindo: obras que são versões pioradas de 50 Tons de Cinza, que só agradam aquelas que, ao invés de terem um macho alfa na cama, compram 30 quilos de Whiskas por mês.

Serviu a carapuça?

Problema de quem?

Eu não utilizo tais práticas bizarras para promover meus livros, até porque minha editora cuida disso, e se precisasse fazer coisas desse gênero provavelmente morreria de fome, porque eu tenho simancol.

Você quer escrever "hot"?

Escreva, você pode escrever sobre o que quiser, mas não queira que todos achem lindo o que você faz para promover seus trabalhos de qualidade duvidosa.

Você pode ser alta, magra, gorda, baixa, velha, nova, vesga, banguela, dentuça, orelhuda ou o que for, o problema não está vinculado ao seu biotipo ou idade, há gosto pra tudo, muitos homens não ligam para nada disso, só se preocupam em ter um lugar para enfiar a piroca, o que enoja, sim, é o ridículo pelo qual você passa para vender livros.

Não há discernimento, não há senso do ridículo, não há ego (e olha que escritores costumam ter um ego gigantesco), não há brio (consulte um dicionário), enfim, faz-se o que estiver ao alcance para vender um punhado de exemplares, num verdadeiro vale-tudo.

Ah, claro, você não se acha ridícula, ótimo, auto-confiança é tudo, mas o que você não sabe é que muita gente ri horrores pelas suas costas, aliás, muitas delas são as que publicam na sua timeline textos melosos de gratidão e amor eternos.

Por falar nelas, o mais enojante, ainda, é essa legião de escritores baba-ovo (se é que podem ser chamados de escritores) que ficam enaltecendo essas criaturas comedoras de marmelada, para pegarem carona no sucesso delas.

Pô, se fulana está fazendo sucesso e eu for seu miguxo, também farei.

Uns caras desses merecem uns tapas no pé da orelha para criarem vergonha na cara.

Tem um magricelo aí, dessas novas safras de "escritores", exilado de uma editora mequetrefe que fechou as portas, que adora lamber o útero dessas autoras "da moda", achando que assim consegue dar um fim nos exemplares que ele tem estocados no seu quarto poeirento.

Crie vergonha, cidadão!

Ah, e se serve como dica, você não precisa se comportar feito uma puta por escrever "hot".

Paulo Coelho não se veste de eremita para vender os livros dele.

André Vianco não tira fotos vestido de "vampiro sexy" para promover seus trabalhos.

Eles fazem sucesso pela qualidade do que produzem (ainda que não agradem a todos, e quem agrada a todos?), mas não por estratégias ridículas de marketing.

Mais uma vez eu reitero: eu entendo perfeitamente o fato de muitos escritores estarem abandonando a literatura porque o cenário está enojante.

Eu faria o mesmo e iria vender coxinha, se bem que não demora muito e aparece alguém de lingerie para vender croquete e me quebrar as pernas, aí tô na roça...

Ah sim, esse texto foi redigido única e exclusivamente por despeito, aqui na equipe todo mundo (principalmente eu) gostaria de pesar 100 quilos e ser motivo de piada dentro do meio literário.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com


18 comentários:

  1. Acredito saber de quem estão falando, deve ser da autora dos trocentos dias de putaria (uma óbvia e tosca referência ao 50 tons de cinza.
    Ela pode ser sem noção e por vezes até ridícula, mas temos que admitir que é esperta. Ela pega ganchos de assuntos em voga para se promover e as leitoras caem como patinhas, abraçando as balelas que ela diz e comprando seus livros.
    Isso é tudo o que os editores querem.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho q sei de quem estão falando...

    ResponderExcluir
  3. Se for quem eu estou pensando (e acho difícil não saber de quem se trata) lançou um livreco aí de ajuda a novos autores, no embalo do que eu lancei há alguns meses.
    O meu está nesse link http://bit.ly/1Wql7t6, mas não ficarei posando de cueca para promover meus livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, posa de cuequinha sim, delícia.

      Excluir
  4. É preciso mesmo ter bem claro quais as pretensões que temos ao escrever. Desconheço quem especificamente estão falando, mas atitudes apontadas na postagem podem ser observadas em vários autores que estão por aí. Penso que a obra deve chamar mais atenção do que seu autor.

    ResponderExcluir
  5. Falando exclusivamente como leitora, penso que esses "escrevinhadores", na verdade, conhecem as limitações que possuem e, por isso, se tornam o que eu chamo de 'surfistas literários', sempre tentando estar na crista da onda do que estiver bombando no momento ("Hot? Vou escrever um 365 Tons de BDSM"; "Vampiros? Bora lançar o 'Passionis Sanguinis'!"; "Garotas doentinhas encontram o amor antes de morrer? Bora lançar 'O meu pote de ouro no fim do arco-íris"), contando com a conivência dos leitores que, em sua maioria, não são muito exigentes, e acham esse tipo de livro xexelento a oitava maravilha do universos (haja visto as resenhas exageradas, que bombam essas pérolas com 5 estrelas e adjetivos como "perfeito", "maravilhoso", "o melhor livro da minha vida").
    E, claro, se prestam a esses papelões (do tipo posar para fotos 'sensuais' vestindo um espartilho e agarrando um giga consolo) pois, parece-me, é o tipo de publicidade que tem agradado ultimamente... Passa a ideia de que o(a) autor(a) é um(a) rebelde, moderno, revolucionário(a, liberado(a) de preconceitos e travas sexuais quando, na verdade, por detrás daquela produção "sensual", daquela maquiagem over, ele deve sim pensar "Peguei você, seu(sua) trouxa!"
    Triste ver que esses tipos trazem à luz tanta mediocridade literária. E mais triste ainda é ver que eles conseguem chamar mais atenção que suas obras, e tiram o foco do que é mais importante: o que escrevem é uma droga!

    ResponderExcluir
  6. O mais engraçado é que mesmo nenhum nome sendo citado no texto há quem vista a carapuça e endosse tudo aquilo que foi escrachado:

    Para cada post falando que eu sou uma gorda ridícula que posta fotos na internet, surgem 10 de mulheres que passaram a se amar e se aceitar por minha influência.
    Para cada mensagem de ódio que eu recebo de gordofobicos, eu recebo mais 10 mensagens de pessoas que me acham linda.
    Para cada minuto que eu perco lendo acusações vazias de quem não consegue fazer sucesso, eu ganho horas lendo comentários de gente que amou meus livros.
    Então, haters, vocês podem gritar, espernear, dar piti... Não me importo. Continuarei feliz e contente a demonstrar que uma mulher gorda, baixinha e feliz pode ser extremamente sensual. Se o meu sucesso incomoda tanto a vocês, recomendo que procurem um terapeuta.
    PS: Ninguém é obrigado a me amar. Mas respeito é o que se exige de pessoas que tenham o mínimo de educação. Contudo, se esconder atrás de um blog sem assinatura não é um traço de pessoas educadas e sim de pessoas covardes.
    ‪#‎MenosÓdio‬ ‪#‎MaisAmor‬ ‪#‎ChegaDeGordofobia‬

    Nojo define.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " Contudo, se esconder atrás de um blog sem assinatura não é um traço de pessoas educadas e sim de pessoas covardes."
      Disse a pessoa que não se identificou... kkkkk

      Excluir
    2. O texto foi copiado do Facebook e colado aqui, mas omiti o nome do autor, uma criatura do meio literário que vestiu a carapuça legal.

      Excluir
    3. Depois eu percebi, foi burrice minha kkkkk

      Excluir
  7. Will Lima Escritor14 de abril de 2016 09:22

    Sim, o autor deste blog (seja lá quem for) está falando da JANAÍNA RICO. É bastante óbvio isso. Será que foi ela que respondeu no comentário acima?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é você quem está dizendo.
      Será que foi ela?

      Excluir
  8. Estão nos chamando de "gordofóbicos" nas redes sociais.
    Mas essas pessoas estão erradas, somos putofóbicos.
    Chorem mais, fãs de vadias do hot, ainda tá pouco!

    ResponderExcluir
  9. Acabei de deixar esse comentário na postagem de que eu seja a protagonista dessa matéria, mas provavelmente ela apagará para que sua imaculada (????) imagem não seja arranhada.

    Acredito que a forma de trabalho de cada um deva ser respeitada, mas devemos, também, ser verdadeiros naquilo que propagamos, principalmente no seu caso, onde uma legião de fãs segue seus passos. Você levanta a bandeira da igualdade e fica com todo esse blá blá blá, ótimo, mas desde que não se esqueça do que fez em um passado recente. Ou será que você e suas amiguinhas plus size se esqueceram do verdadeiro bullying que fizeram com a !escritora-sereia" na última Bienal de São Paulo? Quem estava presente, como eu, não se esqueceu, mas isso você não divulga, não é mesmo? Fica aí passando sua imagem de politicamente correta, quando na verdade é um poço de recalque. Fizeram bullying com a menina por quê? Porque ela tem o corpo bonito? Então todos devem respeitar os obesos, os feios, os pobres, os gays e os mancos, mas quem tem o corpo em forma não deve ser respeitado? Só cobre dos outros o que você é capaz de dar, é muito fácil ficar com esse vitimismo barato, agitando bandeira anti-gordofobia e, assim, vendendo livros pra quem acredita nesse seu papo furado, mas por trás prega um feminismo fake, feito só para vender seus trabalhos, mas que não condiz com sua forma de agir. Sei que vai apagar esse texto, porque você esconde a verdade pra debaixo do tapete, mas ele será copiado e colado em todos os lugares que eu puder porque de gente falsa o mundo já está cheio e a verdade deve prevalecer. JANAÍNA RICO RECALCADA, FALSA E INTOLERANTE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse caso do bullying foi em relação à escritora sereia Mirella Ferraz, que nunca se deu ao trabalho de se manifestar a respeito, mas que foi presenciado por muitas pessoas.

      Excluir
  10. Janaina Rico escrota fez até videozinho por causa das postagens de vocês, kkkkkkkkkk.

    https://www.youtube.com/watch?v=pqdpGR9Ytzc

    ResponderExcluir
  11. Gente, eu nunca ouviria falar dessa autora não fosse por essa postagem. O nível da coisa foi tão absurdo que me deu curiosidade de pesquisar. Santo backlash lol

    ResponderExcluir

Pode chorar...