Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

A verdade literária.

R.F. Lucchetti

Por Chutenacara.com.br.

Não sei dizer se me sinto enojado ou perplexo diante de tantos comentários imbecis que, na grande maioria das vezes os "anônimos", publicam nas matérias aqui do blog.

Ainda que diante de tudo o que é publicado aqui há quem se atreva a dizer que o que abordamos, sob os mais diversos aspectos em relação ao mundo literário, não passa de especulação, mentira e obras de quem tem mania de perseguição.

Pois bem, esse senhor da foto se chama R. F. Lucchetti, e provavelmente muitos de vocês nunca ouviram falar dele, assim como não ouviram falar de muitos bons escritores brasileiros.

Esse sim é um escritor que merece respeito e deveria ter um mínimo de reconhecimento por parte dos editores e dos leitores e não um bando de pseudo-autores que mal sabem escrever decentemente e ficam vomitando asneiras por onde vão.

Como as palavras de um bando de idiotas, derrotados e invejosos não merecem credibilidade quem sabe lendo o que esse senhor tem a dizer sobre o meio literário vocês finalmente se convençam de que todos aqueles que ainda insistem em trabalhar com a arte das letras merecem ser tratados como heróis.

Mas os autores sérios, aqueles que dominam, pelo menos, as regras orto-gramaticais, que pesquisam sobre o que vão escrever e que digitam usando as duas mãos (se é que me entendem), e não esse lixo que tentam empurrar a todo custo goela abaixo dos leitores pela mídia corrompida ou por editores ainda pior preparados do que os pseudo-escritores.

"Mas quem é você para falar alguma coisa? Você também escreve feito um macaco."

Sim, mas eu não trabalho no meio literário, não me proclamo o master-writter. Mas o que sou ou deixo de ser não é da conta de ninguém.

Leia no UOL Entretenimento a experiência do senhor Lucchetti em relação à literatura.

Aproveitem e visitem a Página do Autor, quem sabe aprendam alguma coisa.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode chorar...