Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Vírus Z: lançamento cancelado.



Por Oscar Mendes Filho.

Já há um bom tempo não escrevia nenhum texto aqui pro blog e não tinha a menor pretensão de escrever novamente, porém um fato lamentável me obriga a deixar aqui registrado mais um caso de falta de profissionalismo dentro do meio literário.

Duas amigas minhas participam da antologia Vírus Z: Apocalipse Zumbi e estavam animadas com o lançamento da obra, no formato físico, que ocorreria no dia 18/10 aqui em São Paulo.

Até eu, que me afastei dos eventos literários, pretendia comparecer ao evento e prestigiar minhas amigas Débora Gimenes e Lina Stefanie.

Mas, lamentavelmente, o lançamento do livro foi cancelado.

Para os calhordas puxa-sacos do meio literário não saírem por aí vomitando besteiras utilizarei as palavras da minha amiga Debora, publicadas no Facebook, para explicar o triste episódio:


Pois bem, a reputação da Editora Navras já era medíocre dentro do meio literário e creio que essa tenha sido a pá de cal que faltava, ou será que depois de mais esse acontecimento alguém se arriscará trabalhando com ela?

Não é de hoje que a fama de não honrar com seus compromissos cerca o "editor" Gustavo Gonçalves, tanto que a Navras já foi citada em algumas matérias aqui do blog. 

Que fique claro o fato de eu não ter nada contra o Gustavo, até mantivemos contato durante algum tempo, mas a forma como ele agiu em relação ao lançamento dessa antologia realmente é uma prova de que a cota de credibilidade por ele merecida já se esgotou há um bom tempo.

Não retornar os contatos da Débora para dar satisfação sobre o andamento da obra, principalmente às vésperas do evento de lançamento é o cúmulo da falta de consideração e profissionalismo.

Contratempos sempre ocorrem e todos estamos sujeitos a eles, mas entrar em uma gruta e se esconder, deixando todo mundo no vácuo, é de uma falta de profissionalismo brutal.

Com o passar do tempo adquirimos um "feeling" para perceber uma picaretagem, tanto que hoje atuo no meio literário de forma autônoma, sem ter que depender da boa vontade, humor ou honestidade de outrem.

Enquanto mantive contato com o Gustavo quase fechei uma parceria para a publicação de alguns trabalhos meus, mas por alguns problemas as ideias não bateram e nada se concretizou. Mas hoje posso dizer que trabalhar com a Navras provavelmente só faria o nojo que nutro pelo meio literário ser ainda maior (se é que isso é possível).

Apesar de a frase "Eu te avisei" não me sair da cabeça e ela provavelmente só serviria para deixar minha amiga Debora ainda mais "p" da vida, fico triste diante disso tudo, afinal de contas ela (assim como os demais participantes da antologia) ainda nutriam a esperança de que O Gustavo pudesse se redimir dos erros pretéritos.

Minhas amigas estavam muito felizes com o evento e isso ficava nítido quando conversava com elas. O orgulho e alegria delas era tanto que até me dispunha a comparecer ao lançamento mesmo diante da possibilidade de ter que me encontrar com pessoas pelas quais nutro profundo asco. A frustração delas me deixou chateado, me coloquei no lugar delas, e não pude deixar o ocorrido passar sem que me pronunciasse.

Apesar de, pessoalmente, achar o tema zumbi meio batido, a antologia conta com um casting de escritores participantes que desperta curiosidade:

  • “Edifício Prestes Maia” – Áquila Nogueira
  • “Praga” – Debora Gimenes
  • “Zentron Z68″ – Eddy Khaos
  • “Sobre ossos e destroços” – Eliane Verica
  • “Meu êxodo” – Emerson Dantas e Pimenta
  • “As coisas lá fora” – Gian Danton
  • “Zumbi Tropical” – Irineu Lima de Albuquerque
  • “Disturbia” – Lina Stefanie
  • “Resquícios de Humanidade” – Luiz Teodosio
  • “O primeiro pôr-do-sol” – Lyla Halt
  • “Luciana” – Maya Falks
  • “O Morro da Esperança” – Paulo Fodra
  • “Gone with the wind” – Renato G. Cunha
  • “A.P.A.Z.” – Silvia Vieira Fragoso
  • “Teoria e prática de como ser um zumbi” – Tiago Toy
  • “Maldita busca” – Verônica S. Freitas
Mas, mesmo diante do cancelamento, o livro pode ser adquirido no formato e-book pela Amazon, basta acessar a página do Vírus Z: Apocalipse Zumbi e adquirir seu exemplar.

O outro livro, Do Céu ao Inferno: Contos de Anjos e Demônios, que também seria lançado no evento do dia 18/10 também está disponível como e-book na Amazon.

Talvez chegue o dia em que eles possam ser adquiridos, também, no formato físico (ou convencional, se preferir), mas enquanto isso não acontece os e-books estão disponíveis para quem quiser lê-las.

Quanto à minha amiga Debora, que organizou o lançamento, eu só posso parabenizá-la pelo profissionalismo em divulgar o cancelamento do evento em tempo hábil para que o estrago não fosse ainda maior. Muitas pessoas viriam de outras cidades e até mesmo de outros Estados para prestigiar o evento e como ele poderia ocorrer sem os livros que estariam sendo lançados?

Gustavo Golçalves não levou nada disso em consideração. Não demonstrou respeito pelos envolvidos nos projetos a serem lançados ou por quem havia confirmado presença na festa de lançamento.

Não sei se isso se deva à má índole, no caso do Gustavo acho que o grande problema dele é querer dar passos maiores do que a perna permite, com isso ele acaba se enrolando e as coisas dão no que dão.

O que posso fazer é sugerir ao Gustavo que feche de vez as portas da Navras e tente trabalhar com outra coisa, um carrinho de pipoca ou algodão-doce por exemplo, ao menos assim ele não estraga o sonho das outras pessoas.

Em tempo: quando eu escrevo algo sobre alguém, assino o que escrevo.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com


5 comentários:

  1. Essa Editora Navras é uma que já deveria ter fechado faz tempo.
    Saudade dos textos do Oscar, sempre trazendo informações relevantes.

    ResponderExcluir
  2. Sabe de nada, inocente...

    Sabe de nada... inocente...

    ResponderExcluir
  3. Desculpe, mas eu não compreendi está crítica. No dia primeiro de abril deste ano houve uma postagem aqui mesmo intitulada 'Editora Navras: mantenha distancia' em que, numa copia de post temos a Debora Gimenes criticando a Navras no Facebook.
    Agora uma reclamação dela dizendo que a editora não é profissional. Mas isso não estava claro em abril? E se estava, por que continuou trabalhando com a editora?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simplesmente porque ao contrário do Gustavo eu sou uma pessoa profissional e quando entro em um projeto levo ele até o fim. Mesmo a editora sendo uma Navras da vida, honro meus contratos. Se você reparar, esses livros que eu programei o lançamento são os mesmos projetos que o Davi reclamou em abril.
      Também achei que o Gustavo merecia outra chance.
      Tenho a consciência limpa e o coração tranquilo.
      Debora

      Excluir
  4. Falou "ogro" eu até achei que estivesse falando de mim.

    ResponderExcluir

Pode chorar...