Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Escritores amestrados.



Por Chutenacara.com.br.


Após ler a última matéria publicada pela colega Astrid pretendia transcrever um pertinente texto que li há algum tempo. Porém, apenas passarei o link para que ele possa ser lido, até mesmo porque não obtive resposta do autor ao contato que fiz onde solicitava autorização para fazê-lo.


Quer dizer então que para Rafael Draccon há a necessidade de que a vida do escritor seja interessante para que a obra por ele criada seja valorizada?
Não perderei meu tempo esculhambando o dito cujo, deixo isso para que você, leitor, o faça após ler a matéria do link.

Reforço que jamais li nenhuma obra do referido "escritor" e que, após tomar conhecimento do tipo de mentalidade nutrida por ele, provavelmente não lerei nenhuma.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com

14 comentários:

  1. Muito boa a análise do artigo original. Draccon acredita que todos tem que se entregar ás modas adolescentes e que a literatura depende de milagres produzidos por gente como ele. Esse cara se acha presente de Deus à Terra e isso está errado. Além do mais, a diversidade da literatura não precisa ser unanimidade. Eu mesmo odeio literatura fantástica, acho pobre e vazia, mas nem por isso saio por aí como um inquisidor para queimar livros desse gênero em público. Por que falar isso de Ruben Fonseca? E foi ESSE CARA que foi defendido por Paulo Coelho porque não foi chamado para representar o país em Frankfurt? Graças a Deus não foi, isso sim, porque senão a fama do país só tende a ser a pior possível.

    ResponderExcluir
  2. Raphael Dracoon nos prestou um grande serviço ao escancarar a verdadeira mentalidade que ronda pelas editoras brasileiras. Sim, acho que ele foi bem legal nessa parte. Assim nos desiludimos de vez em apostar nossas obras nas mãos dessas editoras. Não perderemos mais tempo com eles, nunca mais.
    Alias, daqui alguns anos as editoras irão à falência. Amazon e Clube de Autores (por exemplo) podem parecer hoje apenas uma opção de publicação para autores rejeitados, mas assim que todos descobrirem o potencial de ganhos com eles, será burro aquele autor (principalmente o já consagrado) que continuar a publicar por editoras. Ao invés de ganhar os irrisórios 10% de direitos autorais, poderá ganhar o quanto ele quiser ao publicar de forma independente, sem ficar dando dinheiro para os oportunistas editorais.
    Se o mercado editorial brasileiro quer artistas para publicar, então deve sair do ramo. Será melhor que de editoras passem a ser agências de atores e modelos, no mínimo.

    ResponderExcluir
  3. Aguardem o reality show dele e da esposa-fada....

    ResponderExcluir
  4. Pelo que entendi, o Draccon não irá mais se publicar, pois ele acabou dando declarações polêmicas, não o tornando mais elegível para o selo de sua editora!!! kkkkkk Deve ser por isso que ele trocou, né?

    ResponderExcluir
  5. Olá, sou o autor do texto. Não recebi seu email. Deve ter caido na caixa de spam e eu apaguei sem perceber.

    Quanto à utilização de conteúdo do meu blogue, é permitida desde que citada a fonte com link.

    De preferência, um teaser com o link... heheh.

    Obrigado por ler e comentar o meu texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que tenhamos publicado sua matéria de maneira satisfatória Jose.
      Parabéns pelo texto.

      Excluir
  6. Isso que vocês não viram um pod-cast deste Draccon junto com Eduardo Spohr lançado recentemente. Chega a me dar um nó no estômago ao lembrar. Eles falam que não gostam dos presepeiros, ou algo assim, que nada mais é como eles chamam os escritores que pedem para que eles leiam seus manuscritos buscando opiniões. OS CARAS MAL ENTRARAM NO MERCADO EDITORIAL E JÁ ESTÃO SE ACHANDO OS REIS DO UNIVERSO! SOBERBA além dos limites! Escutem lá... É nerd-cast o nome...

    ResponderExcluir
  7. Antes de ser tão implacável com o Draccon, você deveria pelo menos ler o que ele mesmo disse à respeito dessa entrevista, aliás, bastante adulterada.

    http://www.raphaeldraccon.com/blog/?p=4585

    E sim, recomendo que leiam os livros dele. Ele não é o maior nome da Literatura Fantástica Nacional nos dias de hoje à toa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele continuou corroborando o mesmo tipo de pensamento da entrevista, apenas de maneira mais branda. O que ele disse não é mentira, mas não é por ser verdadeiro que todos são obrigados a aplaudir o que ele disse, tanto na entrevista quanto na retratação. Aquilo que é comum e aceito, nem sempre é o certo.

      Excluir
  8. Cara...assista uma palestra com o Draccon, e depois assista Suassuna e Loyola...Então, poderá entender a diferença.

    ResponderExcluir
  9. A literatura brasileira é uma máfia de ufanistas ressentidos, que acham que todo e qualquer escritor nascido neste país tem que escrever sobre índios e negros senão é "colonizado pelo imperialismo norte-americano". Autores, publiquem seus livros em sites de self-publishing, e se não vender o suficiente lancem os livros em inglês, que lá nos EUA tem mercado pra todo e qualquer gênero literário (fora que lá você não precisa usar o maldito travessão nas falas, pode usar aspas, deixando o texto esteticamente mais limpo). Um grande foda-se pras editoras brasileiras, bienais e eventos com rótulo de "nerd" (rótulo que serve unica e somente para segregar os autores do público geral). A academia brasileira de letras premiou um jogador de futebol, fala sério, jogador de futebol! Vocês levam esta academia a sério? Eu não. Este país tá cheio de caga-regras, não deixe eles censurarem sua obra.

    ResponderExcluir

Pode chorar...