Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Originalidade e parceria autor e editora.



Por Astrid Underground.


Textos são curiosos uma vez que dão margem a inúmeras interpretações.
Analisemos então um trecho da entrevista que um "editor" concedeu e que acaba de ser divulgada.

BL: Quais os principais critérios que você leva em conta na hora de avaliar um original?
EB: Originalidade e parceria autor e editora.

Ora pois, então o cidadão acaba de admitir que um ponto fundamental que é levado em consideração no momento de avaliar um original que recebe é quanto o autor desembolsará para que a obra seja publicada, é isso?
Tudo bem, talvez eu tenha entendido mal, então, por favor, quem tiver entendido diferente, me explique.
Tem gente que a cada dia se enrola ainda mais.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com

8 comentários:

  1. Nenhum autor paga para publicar na literata, apenas compra quantos exemplares quiser, se quiser, a preço de custo. O que o editor quis dizer é a parceria na divulgação, pois apesar da editora fazer a sua parte para divulgar e distribuir, o autor também deve ajudar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Astrid Underground24 de outubro de 2013 14:34

      Em editoras sérias a obrigação do autor é criar material de qualidade.
      Autor não tem que ser vendedor, e muito menos marketeiro.

      Excluir
  2. Particularmente acredito que o trabalho do autor deva ser somente o de criar a obra, o que não é nada fácil.
    A editora já ganha mais que o suficiente para arcar com o que tange à divulgação da obra.
    Além de dar tem que arreganhar?

    ResponderExcluir
  3. Eu não me importo em divulgar meus livros, aliás, gosto bastante e não é nada demais fazê-lo. Claro que a maior parte do marketing fica mesmo a cargo da editora. Apenas compartilho algumas vezes no Face, na dose certa, sem importunar ninguém e nem atulhar o mural dos outros com propagandas.

    ResponderExcluir
  4. A Editora Literata é uma das poucas que acredita no autor nacional e promove sua obra, não sendo exigido do autor nada além de sua própria obra, e a editora o remunera com direitos autorais compatíveis com o mercado. Este blog se engana em criticar o editor e a editora.

    ResponderExcluir
  5. Como autor da Editora Literata posso afirmar que este blog se engana profundamente ao afirmar que o autor tem de desembolsar qualquer valor. A Literata é uma das poucas editoras que confia nos escritores nacionais, e paga direitos autorais em valores de mercado, e o autor pode adquirir, se quiser, qualquer quantia de seus próprios livros a preço de custo. E a editora cuida de tudo, inclusive revisão e diagramação impecáveis com os melhores do mercado. Qualquer afirmação desse porte neste blog deveria se basear em evidência concretas e não meras afirmações levianas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi leviandade alguma na matéria.
      A autora escreveu sobre o que entendeu da afirmação feita pelo Eduardo. Se ele tivesse sido mais específico na resposta que deu não haveria margem para interpretações que possam ser errôneas.
      E diante da quantidade de merda que vem se tornando pública, conforme denúncias feitas, a resposta que ele deu aponta para o que relata o texto acima.

      Excluir
  6. Se a Editora Literata é diferente, então ela deve se esforçar para ter um discurso diferente, além de um comportamento idem. Porque essa história de parceria sempre soa como uma exigência de que o autor compartilhe os custos de edição ou o trabalho de divulgação e, sinceramente, tal parceria não deveria nunca ser EXIGIDA caso a editora tivesse compromisso com a qualidade. Existem autores, como eu, que residem fora dos grandes centros e têm grandes dificuldades para divulgar sua obra. Isso, ao meu ver, impede que nossa "parceria" seja tão eficaz quanto a de um autor localizado em uma grande capital. Na prática, essa parceria sugere uma discriminação contra os autores interioranos, contra os autores tímidos e contra os que não podem dedicar seu tempo à divulgação. Não me soa como um bom começo para uma relação. Quero acreditar, porém, que foi apenas uma declaração infeliz. Todos damos declarações infelizes e isso não é pecado.

    ResponderExcluir

Pode chorar...