Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Eu, escritor: cara de palhaço! Anomalias do meio literário.



Por Geyme Lechner.

Faz dois anos que me dedico exclusivamente à literatura escrevendo livros, corrigindo-os, fazendo contatos, estreitando laços de amizade (e inimizade também) – confesso que as inimizades e antipatias que criei em meu círculo (ou que fechei) foram maiores que as amizades conquistadas. Em dois anos, ademais de praticar e exercitar cotidianamente a escrita, conheci o universo dos aspirantes a escritores e a vaidade artística que os cerca (altamente patológica) que até então desconhecia.
Gente, na boa, algumas pessoas cultivam o sonho de serem “celebridades” e escolheram a literatura para alcançarem seus objetivos de “estrela”. O foco: ter uma boa estória para contar (e saber como contá-la) ficou em segundo plano, o negócio é publicar um livro (tendo este qualidade ou não) e sair por aí se aparecendo!
Tenho ficado com aversão de algumas redes sociais, pois nelas, não somente a vaidade se concentra, como também a competição, inveja e exibicionismo se multiplicam e propagam.
Quer um exemplo de que ser “escritor” é símbolo de enganação? Segura essa:


Mensagem recebida pelo FB:


OLÁ GEYME, SOU POETA, ESPIRITUALISTA E TENHO OBRAS PUBLICADAS... ACREDITO EM REENCARNAÇÃO... E JA TIVE COMPROVAÇÕES... VC ME LEMBAR, APENAS ME LEMBRA, UM GRANDE AMOR DE UMA DE MINHAS VIDAS ... CATHARINE... EM BREVE VOU VOU ESCREVER UM ROMANCE, CUJO TITULO É : VIDA DE MINHAS VIDAS - CATHARINE.
QUANDO PBLICAR EU TE AVISO
MINHA EDITORA É A PERSE - E NA OPÇÃO LOJA, PROCURANDO EM AUTORES - CARLOS NEVES, PODERÁ VER MINHAS OBRAS
BJSSS
Eu sou ateia, e não gosto de poesias... Pelo pouco que temos em comum, acredito NÃO ser seu “amor reencarnado”. Ademais, vc não é um pouco velho para mim? Boa sorte com seus projetos, abcs!
ENTAO O QUE VEIO FAZER NUMA PAGINA DE UM POETA? SEJA FELIZ, MAS JA QUE NAO CURTE POESIAS ... NAO TEM RQUE FICAR AKI TOMANDO ESPAÇO.
FOI UM PRAZER TE CONHECER
Não lembro de ter mandado convite a vc, aliás, de poetas e poesias, costumo correr!!Muito me admira saber que todos os seus contatos aqui sejam "aficcionados" por poesia....Encontre o seu público (pois eu NÃO o sou) e tenha sucesso com essas mensagens em massa, dizendo a mulheres bobas que está escrevendo um livro pq elas se parecem ao seu “amor do passado”! Espero que venda milhões! PS: Que estratégia furada, não?

Bem, gentem, o “escritor, romancista e espiritualista" escreve assim (tudo errado e sem estética mesmo) às pessoas, chega intimando, contando lorotas absurdas. Vejam que depois de ser levemente ridicularizado, ele me pergunta o que estou fazendo na página dele se não gosto de poesias. Ué, achei que eu fosse “Catherine” o amor do seu passado, hahaha ( pior que ele é feio para burro! Se encarnação existe, tenho certeza que meu gosto foi muito melhor do que isso no passado)!
Escritores pedindo elogios comentários quando sai qualquer artigo por aí tenho de penca entre meus contatos. Outro dia, cedi ao rogo de um desses mendigos escritores, e comentei algo na página onde falava sobre seu livro (tipo assim: “Essa obra deve ser genial, estou curiosíssima!”) Sem notar o vazio do comentário, o autor acreditou que estava mesmo interessada em suas palavras, e após minha demonstração de gentileza (completamente inusual), caiu em cima de mim feito mosca, praticamente obrigando-me a comprar seu livro. Sua última mensagem dizia: “Deixe de ser muquirana, mulher! Você não vai mesmo abrir a carteira?!”. Bem, nem preciso dizer que não o tenho mais na minha rede de babacas social...

Caramba, que profissão mais banal e corriqueira é a do escritor! Tá bom que não precisamos de diploma universitário para tal, mas e o profissionalismo? E entender o que se está fazendo? E seguir na profissão para manter o status? Somos todos autores?
E o que esses “escritores” da nova geração fazem quando tem uma (ou algumas) obras publicadas? Auto intitulam-se: “Eu, escritor, revelação da literatura nacional, visto como um dos melhores romancistas do mundo!” (What??? Pasmem, mas é verdade! Isso estava escrito no blog de alguém. De onde a criatura tirou essa “informação”, só o capeta deve saber! Do New York Times não terá sido...) OK! O mundo não deve ser tão grande quanto pensamos e nem as pessoas tão inteligentes... menos ainda, a visão dos “escritores” que nascem da noite para o dia, ou outros, fabricados por editoras.
Confesso que tenho vontade de arrancar os olhos quando vejo tais bobagens escritas por aí... Escritores de primeira viagem quebram o maior barraco quando blogs literários criticam suas obras, outros, empurram seus escritos goela abaixo dos leitores, vendendo-as como: “Você vai AMAR meu livro!”. Escritores que se prostituem escrevendo temas que estão na moda e fazem sucesso, mudando apenas o nome dos protagonistas e o cenário, mas mantendo o tema (que está vendendo no mercado) fiel, alegando: “Minha obra é totalmente DIFERENTE das demais...”... Escritores distribuindo bottons e camisetas com suas carotas pintadas nas estampas; escritoras pedindo para serem chamadas de divas e escritores se achando galãs... Até os perfis do Facebook estão escritos na terceira pessoa, como se a Wikipédia os tivesse registrados (e não a própria criatura)! Atrás do nome do fulano, costuma vir o pseudônimo: “escritor”:
Maria da Silva escritora. João Pereira escritor... Bobo da corte (também escritor)!
Os novos escritores perdem mais tempo em publicidade do que produzir boas obras. A preocupação de divulgar livros (diga-se de passagem, MUITOS deles extremamente mal escritos) é mais importante do que escrever textos, escolher temas, aprimorar a técnica da escrita e apresentar ao mercado um trabalho de qualidade.
Sugiro que armemos um circo, que pintemos nossos narizes e corramos para o picadeiro, mostrar nossas habilidades de palhaço!
Falando em escritores fabricados, não esqueçamos o “Ghost writer”, uma modalidade adotada por editoras para escrever o SEU texto. Claro, para ser escritor, você sequer precisa saber escrever, não é genial? Se isso não fosse o bastante, editoras espertalhonas, visando o lucro garantido de best-sellers proclamados (ainda que em sua maioria, LIXOS legíveis), dão luz a obras de escritores inexistentes. Originalidade é um critério que não consta aqui. Saca o babado do momento:
Após o estrondoso sucesso de “50 tons de Cinza”, várias editoras correram para plagiar apresentar ao leitor obras similares, mantendo a linha erótica de E L James. (Isso acontece com a maioria das vendas publicações de sucesso).
A Editora Planeta, além de ter plagiado trabalhado na cópia produção de “50 noites em tons de cinza”, mantendo a capa, o título, as cores, o enredo erótico IGUAIS parecidos ao original, também teve a ousadia de atribuir a autoria dessa obra à autora “Laura Elias”. O detalhe é que por “Laura Elias” conhecemos apenas uma escritora, ela é brasileira e sua linha literária é completamente diferente ao gênero que foi involucrada... Confrontados com a interrogação dos leitores e da própria “Laura Elias” (a original), a editora saiu pela tangente, dizendo que a “Laura Elias” deles é americana. O curioso é que ao fazer pesquisas na internet, nenhuma Laura Elias (ademais da brasileira) é encontrada. Não há fotos, nem site da autora (norte americana com nome brasileiro), nem quaisquer informações... nada, nada, nada! O rumor agora é que a editora escreveu Laura Elias errado na capa de seu tão esperado lançamento, sendo que o nome REAL do Ghost writer da desconhecida, na verdade é “Laura Elijah”. Será verdade ou será apenas mais uma cagada um tiro no pé dado pela editora em sua pressa de faturar milhões? Vamos aguardar as cenas do próximo capítulo e o pronunciamento da empresa em questão, que até agora, reserva-se no direito de manter o silêncio.

Não percam mais essa incrível, original e surpreendente publicação:
50 Noites em tons de cinza!


 PS: Não sejam maliciosos e impertinentes, o livro acima nada tem a ver com o original abaixo:


É, vida de escritor não é fácil, e nos dias atuais, menos ainda... Você aí, também é escritor? Vai encarar essa?



Entre em contato: litfanbr@gmail.com

4 comentários:

  1. HAUAHAUAHAUAHAUAHAUAHAUAAHA

    ADOREIIIIIIIIIIIIIIIIIIII a resposta que deu pro poeta e seu amor "de outra vida"


    Fato, eu fujo de poetas e poesias. Da mesma forma que fujo de egos altamente inflamados. Até porque a maioria dos que se acham a ultima bolacha do pacote escrevem lixos. E a maioria dos autores nacionais se acha a 8° maravilha do mundo.

    Depois ficam choramingando que o Brasil ainda não descobriu a maravilha que eles são.

    Parabens para a Geyme, coragem mulher!

    ResponderExcluir
  2. Pois é, eu me sinto assim também. Tanta gente escreve tanta porcaria que eu começo a achar que não vale a pena escrever. É como se o lixo estivesse agora determinando o padrão de qualidade. Não só você aprende, inconscientemente, a escrever mal, por ler tanta coisa ruim, mas também começa a ser cada vez mais confundido com estas criaturas.

    Já falei mal deles em meu blogue diversas vezes, mas além de eu ser pouco lido ainda tenho um sério problema de relacionamento: não sou mais bem quisto nas redes sociais por ter sido honesto demais em alguns casos (e desnecessariamente mal educado em outros).

    Então me conformei em simplesmente continuar fazendo meu blogue, tentando meus contatos, esperando o que vai acontecer, mas mantendo a atividade apenas pelo prazer da escrita, porque, como já me convenci, os autores de hoje e do futuro não serão mais lidos. Somente os "best sellers".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa José, mas por que sacaneiam você assim?
      Nós que mantemos o blog somos tão amados no meio literário...

      Excluir
  3. Eu adoro poesia, e, como ocorre em todos os demais gêneros, muita gente ruim se diz poeta.

    ResponderExcluir

Pode chorar...