Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Mariposas literárias.


Por Astrid Underground.

Para desespero de todos aqueles já familiarizados com a qualidade das antologias que ultimamente estão sendo lançadas, no último final de semana mais uma surgiu.

Parecia que os mercenários literários haviam desistido de utilizarem-se desse tipo de obra, mas tudo me leva a acreditar que a necessidade financeira desses elementos os força a prosseguir com esse tipo de coisa, por mais manjada essa fórmula possa ser.

Cada um é livre para agir da forma que melhor lhe convém, o que eu me esforço para entender, mas não consigo, é o motivo que leva pessoas esclarecidas e de grande talento a embarcarem nessas canoas furadas.

Lógico que o sonho de quem organiza tais "coisas" é o de convencer algum escritor que já possua certo prestígio dentro do meio em participar para assim alavancar suas vendas, mas não é o caso.

Seria compreensível se todos os que aceitam participar desse tipo de trabalho fossem escritores novatos e de capacidade literária duvidosa buscando desesperadamente seu lugar ao sol.

Mas vejo pessoas que, mesmo talentosas, ainda engatinham no mundo literário e aceitam entrar nesses esquemas correndo mais o risco de se emporcalhar do que de brilhar sob holofotes.

Pra quê? Em busca de quê?

Seria pela oportunidade de adicionar à sua biografia a participação em mais um trabalho?

Ou será que a fome de dinheiro os obriga a isso?

Longe de seguir "bairrismo", mas aqui na minha terra encalorada nós dificilmente vemos esse tipo de coisa (graças à Oxalá). Parece que a "pandemia" se restringe apenas ao estado vizinho.

Minha teoria quanto a isso vai de encontro ao título da matéria: esses escritores que ao invés de tentarem trilhar seu caminho com as próprias pernas voam desesperadamente em direção à primeira luzinha que se acende, ainda que débil e fraca.

Mariposas que voam de encontro à luz.

Todos estamos cientes de que obter algum reconhecimento dentro do meio literário é uma tarefa árdua, mas acredito ser mais digno lutar por si mesmo correndo o risco de quebrar a cara e assumindo para si toda a responsabilidade do que ingressar em um projeto organizado por um sei lá quem que atira em todas as direções e cuja reputação já foi posta em cheque por diversas outras pessoas.

Conheço pelo menos uma meia dúzia de pessoas, que de alguma forma estão ligas ao meio literário, que execram o tal "organizador". Será que fazem isso de forma gratuita? Pelo que sei, não.

Para ser capaz de organizar uma antologia há a necessidade de se possuir um bom conhecimento, pelo menos, da Língua Portuguesa para assim avaliar as obras enviadas por aqueles que aspiram adentrar em seu projeto.

Como uma pessoa que mal sabe fazer o uso devido da língua nativa (como é fácil comprovar em "obras" de sua autoria e até mesmo no seu perfil das redes sociais) se considera devidamente gabaritado para isso?

Ele se considerar, até aí ótimo, cada um tem o direito de se considerar o que quiser, mas pessoas de boa índole e com um grande potencial darem atenção aos seus convites e ingressarem em seus projetos, pelo menos para mim, chega a ser burrice.

Como já mencionei anteriormente, cada um sabe de si e aceita o que é melhor para sua carreira e para seu ego. Para mim, não passa de uma furada.

Cada um sabe onde o calo aperta e um "currículo", depois de emporcalhado, dificilmente consegue ser corrigido.

#ficadica

Entre em contato: litfanbr@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode chorar...