Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Tapados, "efeito carapuça" e afins.



Por Chutenacara.com.br.

Qual foi minha surpresa quando, na hora do coffee-break meu editor mencionou o presente blog e teceu o seguinte comentário "Os caras estão descendo a lenha sem dó, mas tava na hora mesmo de alguém chutar o pau da barraca, o meio tá asqueroso, é tanta porcalhada que me dá até vergonha".
Minha vontade foi de erguer a mão e assumir minha participação (quem sabe eu fosse promovido? rssss) mas preferi manter o silêncio, afinal, subir baseado na desgraça alheia é deprimente.
Pois é, o "blogzinho mequetrefe" está correndo os quatro cantos do meio literário, como já era de se esperar.
Eu, particularmente, fico satisfeito com o alcance que ele está atingindo, e chego até a me surpreender com isso, afinal, nosso objetivo era exatamente de trazer à tona toda a mediocridade que impregna o meio, mas a ponto de editores o acompanharem, fiquei pasmo.
O curioso é que o "grupinho do oba-oba" sempre preferiu se manter em silêncio, fingindo ignorar o que aqui era publicado considerando-o sem importância e falacioso, mas de repente começou a se manifestar, por que será?
Se somos um grupo de retardados que escreve apenas inverdades por que nos dão atenção? Por que visitam nossa página ou perdem o tempo deles tentando desprestigiar nossas matérias? Isso é bastante antagônico, mas a verdade é que perceberam que a água está lhes batendo na bunda e sentiram, enfim, a necessidade de tentar defender-se.
Talvez o "blogzinho mequetrefe" não seja assim tão desprezível, concordam?
Temos um grupo de colaboradores, por assim dizer, fixos, e outros que vez ou outra nos fornecem algum material. Sou sincero em dizer que em certos momentos alguns foram diretos até demais, não poupando ninguém, mas também não fugindo da realidade, enfim, cada qual possui seu estilo.
Apelar para a área pessoal ou física acredito ser meio exagerado, mas se o que foi mencionado na publicação do Adonis é inverídico como será que a galerinha reconheceu as pessoas a quem ele se referiu? Se o que foi narrado não condiz com a verdade, os "personagens" deveriam ser totalmente anônimos, não?
O que dói é alguém escancarar o que, nos chats privados, é dito por todo mundo, e isso vir à tona fere-lhes o ego, talvez por não imaginarem que tais coisas fossem de conhecimento, por assim dizer, "público".
Então eu li por aí "o blog perdeu a credibilidade" ou "eu seguia o blog, mas depois daquilo não vou seguir mais". Bom, nunca alguém foi obrigado a seguir a página, para início de conversa, o faz quem quer, e dizer que ele "perdeu a credibilidade" é no mínimo idiota.
A página perderia a credibilidade se tivesse publicado alguma mentira. Isso aconteceu em algum momento? Pesquise a respeito da Livropronto ou do Asgard e até mesmo em relação ao texto do Adonis (assim como nas demais denúncias, menos explícitas) e facilmente se perceberá que tudo o que foi dito condiz com a realidade, se tudo fosse mentira não teria atingido quem foi denunciado.
Quem possui, então, credibilidade? Quem mostra a realidade dos fatos ou quem teima em empurra a caca para debaixo do tapete?
É aquele tal negócio: quem não tem defesa, apela.
O mais curioso é o fato do famigerado "efeito carapuça" atingir pessoas que eu sequer imaginava que pudesse atingí-las, mas é como diz o velho ditado "quem anda com porcos, lavagem come", ou seja, ainda que a pessoa seja idônea, a partir do momento que se junta com quem possui má índole corre o risco de se ferrar junto com ele, isso é inevitável.
Manifestar-se de forma desesperada apenas assina embaixo o que foi dito e praticamente coloca uma foto ao lado do texto que o "citou".
A verdade está na cara de todo mundo, só não vê quem não quer ou é tapado o suficiente para se manter alheio a tudo isso.
Manter-se encima do muro, a meu ver, é arriscado porque quando ele cair, você vai junto, e um dos lados se manterá intacto, resumindo, é falta de caráter e burrice.
Muita gente por aí batalha em prol de causas bastante polêmicas há anos, mas como alguém que se denomina "revolucionário" ou "vanguardista" pode assim ser considerado quando se mantém calado diante de tanta sujeira? Quem se omite a respeito de algo errado termina por lhe conceder força, não é? Isso, no âmbito da minha visão, acontece quando há algum interesse em se manter imparcial, e que interesse poderia ser? O de estar integrado ao grupinho sujo e, assim, colher os frutos das falcatruas promovidas por eles, o que acaba colocando-o no mesmo patamar dos calhordas.
Muita gente age de forma correta e louvável, mas a partir do instante que pisa na bola se sujeita e receber sua cota de chutes na cara (eu adoro isso!).
Mas a vida e o mundo são assim, em tudo que se faça há quem aplauda e quem esperneie, depende de quem assiste ao espetáculo.


Entre em contato: litfanbr@gmail.com




4 comentários:

  1. Eu discordo em certos pontos. O blog perde um pouco da credibilidade a partir do momento em que as críticas saem do núcleo "trabalho" e passam a atingir o autor/editor em sua totalidade. Menos distorção e ressentimentos passados e mais fatos. As vezes leio posts inteiros com críticas destrutivas... e venho percebido uma necessidade de rebater toda e qualquer crítica como se vocês fossem isentos das mesmas. Seguindo sua "lógica" eu poderia vir aqui e te xingar e satirizar a vontade. Mas achei mais interessante deixar uma crítica construtiva: Cuidado com as manias de grandeza que tanto alfineta.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o John Doe, criticar negativa ou positivamente um trabalho literário é diferente de comentar de maneira invaziva a vida pessoal do escritor.E se existem "ressentimentos passados" como o amigo John disse,isso me faz pensar se todas essas "denúncias" (não creio que seja o termo correto, ainda mais se tratando da vida particular das pessoas) não são fruto de uma intriga ou decepção das pessoas que escrevem o blog com estes escritores.
    Concordo que surgem péssimos livros no mercado enquanto existem excelentes escritores que nunca conseguiram publicar nada; que alguns tiram proveito da ansiedade de autores em ter seus trabalhos publicados para cobrar os olhos da cara por uma péssima publicação sem ao menos oferecer suporte aos autores inexperientes.
    Sei que como em todo meio, existem "panelinhas", puxa-sacos, etc, mas acho que o blog deveria priorizar assuntos e textos relacionados à proposta inicial do mesmo, e não incentivar ou apoiar críticas que parecem saídas diretamnente de revistas de fofocas para cá.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com Miriam e John. Ainda sigo o blog (digo, leio-o) por causa das denúncias, como por exemplo a última da Livropronto e da Canapé. Mas entrar no âmbito pessoal, criticar até o modo de se vestir de certo (a) escritor (a), com quem ele dorme ou deixa de dormir, se é solteirão ou se recebeu um chute da esposa, isso não é ético, se formos parar pra pensar que esse blog é um blog de LITERATURA. A impressão que dá, quando se lê algumas postagens, é que alguém guarda grande mágoa de determinada pessoa, e isso acaba se ramificando e se estendendo a todos os amigos e parceiros daquela pessoa. Fica parecendo birra, e soa muito anti-profissional.

    ResponderExcluir

Pode chorar...