Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

A.V. / D.V. - o colapso editorial.



Por Oscar Mendes Filho.

*Leia-se A.V. e D.V. como Antes de Vianco e Depois de Vianco.

Me recordo de que, antes do lançamento do livro "Os Sete" de André Vianco no ano de 2000, era difícil encontrar livros sobre vampiros escritos por brasileiros. Após o sucesso alcançado pela obra citada e pelas que se seguiram, ocorreu um boom nesse nicho literário.

A história de Vianco é conhecida entre seus fãs e dentro do meio literário: o escritor usou seu FGTS para publicar de forma independente sua obra, e ela, tendo conseguido grande sucesso, chamou a atenção da Editora Novo Século, que passou então a publicar não apenas o livro publicado de forma independente, como também as demais escritas por ele.
Seu sucesso contagiou uma legião de aspirantes a escritor, que então viram a possibilidade de ter suas obras também reconhecidas e atingir o mesmo patamar.



A publicação de "Os Sete" coincidiu com o início da popularização da internet, o que também facilitou a divulgação das obras escritas por pessoas até então desconhecidas, seja através das redes sociais (leia-se Orkut, na época) como de blog´s.
Com isso diversas pessoas passaram a publicar suas obras da mesma maneira, arcando com os custos e trabalhando por conta própria em seu marketing.

Surgiram, então, diversas editoras que se especializaram nessa forma de atuação: o escritor arcar com os custos para que elas dessem "vida" às obras, mas infelizmente nem todas tratando com o devido respeito o escritor iniciante.

Vianco vendeu por conta própria os 1.000 exemplares que bancou do próprio bolso, no entanto, quem já teve a oportunidade de ter "Os Sete" em mãos conhece a alta qualidade do material. 
Mas infelizmente isso não acontece hoje em dia.
Editoras inescrupulosas prometem mundos e fundos: entregar um trabalho de alta qualidade gráfica, revisar os textos de forma profissional, auxiliar na divulgação da obra e etc, mas não é isso o que acontece.
Desnecessário citar exemplos, basta ler matérias anteriores aqui no blog, onde tudo isso já foi relatado, mas de forma geral o trabalho entregue (quando isso ocorre) é medíocre, o espaço destinado à divulgação do material não passa de alguma menção na página da editora e, pasmem, a dita revisão profissional dos textos é realizada somente através do Microsoft Word, com meras correções gramaticais e ortográficas que qualquer pessoa familiarizada de uma forma mínima com o programa é capaz de fazer.
O intuito de tais editoras é apenas o de conseguir o dinheiro dos escritores novatos sem se preocupar com a qualidade do que lhes será entregue.

André Vianco é um precursor dessa modalidade no Brasil, ao menos que tenha obtido sucesso, e mostrou que é possível realizar o sonho de ser um escritor de sucesso e devidamente reconhecido pelo seu talento, quanto à isso não há o que se discutir. Mas demonstra, também, que é necessário trabalhar com uma editora séria que cumpre o que promete.

Lamentável é o fato de pessoas inescrupulosas se aproveitarem do sucesso por ele alcançado para ludibriar escritores novatos que, de forma desavisada e até mesmo inocente, confiam a essas "editoras caça-níquel" seus trabalhos na ânsia de atingir esse mesmo sucesso.

Infelizmente não basta escrever com qualidade, há a necessidade de se possuir o Q.I. para assinar, logo de cara, um contrato com uma editora séria ou então o conhecimento acerca de editoras realmente profissionais que cumprem o que prometem para não cair em armadilhas e ter caixas de livros de péssima qualidade estocados no quartinho dos fundos de casa.

André Vianco teve muita sorte, sim, pois trabalhou com gente séria, mas será que hoje em dia, se ele tivesse caído em alguma das inúmeras armadilhas existentes no meio literário ele teria o prestígio que tem hoje?
Se a obra por ele bancada do próprio bolso tivesse uma capa horrenda e uma impressão medíocre ele haveria obtido sucesso e chamado a atenção de uma editora decente?

Escritor iniciante, pense nisso.
Pesquise, se esclareça, trabalhe de forma séria e honesta, assim você também pode alcançar seu sonho.
Não fique deslumbrado com promessas, certifique-se de que a editora com a qual irá trabalhar realiza um trabalho decente.
A Literatura Fantástica Brasileira agradece.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com


4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ótima dica. Também acho que o caminho "independente" como algo a ser pensado pelos novos autores. Com ferramentas existentes hoje e com o capricho na hora de editar, diagramar e montar o livro, o autor tem possibilidade de chamar atenção no meio literário. Como explicado no artigo, a questão de editora fica para um segundo momento. O custo para o autor pode ser menos oneroso.

    ResponderExcluir
  3. Só discordo desse ponto: "quem já teve a oportunidade de ter "Os Sete" em mãos conhece a alta qualidade do material". Superficialmente falando (acabamento do livro, diagramação e etc) sim, não nego que há boa qualidade ali, mas conteudisticamente (eita palavrinha escrota) o livro do Vianco (assim como todos os outros dele) deixa BASTANTE a desejar, até mesmo para uma literatura fantástica. Ele tem boas ideias mas que simplesmente não convencem. Verossimilhança nota 0.

    ResponderExcluir
  4. Chutenacara.com.br23 de agosto de 2012 21:12

    Tem razão Ed (Khaos???) o trabalho de Vianco deve ser relegado, o seu sim merece ser enaltecido.

    ResponderExcluir

Pode chorar...