Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Profissionalismo acima de tudo.



Por Chutenacara.com.br.

Há tempos estou ensaiando para escrever esse texto, mas sempre adiava, até que finalmente resolvi colocar pra fora o que está engasgado na garganta.
Sou responsável por selecionar textos para que sejam publicados em uma editora e, em virtude de tal fato, muitas pessoas me adicionam nas redes sociais e no messenger tendo como intuito somente me adular na esperança de, assim, terem seus trabalhos selecionados.
Provavelmente com muitos outros "profissionais" da área isso deve funcionar, mas não comigo. 
Tem gente que publica tudo o que recebe, seja por coleguismo ou incompetência mesmo, mas para muitos deles o que vale é o dinheiro que podem ganhar com as obras, sem se aterem à qualidade do que publicam, mas nem todos são assim.
Longe de querer "dar uma de gostoso", eu apenas primo pela qualidade daquilo que faço e não vou colocar minha reputação em jogo para agradar um ou outro (nem mesmo que esse "outro" tenha belas fotos de decotes publicados na internet).
Recebo alguns textos que realmente me dão nojo.
Erros grotescos de ortografia, concordância e conjugação verbal, para não mencionar trabalhos em que visivelmente o autor se perdeu no meio dele, tornando os mesmos ininteligíveis.
Tento manter a cordialidade, afinal sou um rapaz da época em que os pais educavam seus filhos, e dou desculpas como "seu trabalho não se encaixa no perfil da editora" ou "estudaremos a possibilidade de publicar seu trabalho futuramente", porque seria extremamente grosseiro dizer a verdade na lata.
Poxa, escrever é um direito de todos, mas não é uma obrigação dos editores selecionar trabalhos de má qualidade.
Não pense que para escrever um livro basta ter uma boa idéia, há a necessidade de saber construir uma obra, criar um perfil compatível para os personagens, saber criar o enredo de forma a prender a atenção do leitor e, principalmente, dominar a língua portuguesa.
Logo de cara esses "novos autores" se arriscam e escrevem obras de mais de cem páginas. Poxa, isso é algo bastante complexo de se realizar. Tente primeiro escrever pequenos contos, ir treinando, e aí sim se arrisque em produzir algo de maior porte.
Ou então comece publicando seus textos em um blog, pois os leitores apontarão possíveis falhas que eles possam ter. Mas crie um blog seu, pelo qual você se responsabilize pois existem algumas "renomadas páginas" que visivelmente possuem o péssimo hábito de publicar sem sequer se dar ao trabalho de revisar os textos antes de fazê-lo.
Ninguém precisa ser um Pasquale da vida, afinal, uma editora decente possui revisores que ganham para isso, mas eles não podem transformar algumas coisas medíocres que recebemos em obras de primeira qualidade.
Escritor, ou aspirante a escritor, primeiro leia bastante, familiarize-se com bons livros, estude as técnicas utilizadas, para só então tentar enviar seus trabalhos às editoras, caso contrário correrão o risco de encontrar alguma dessas editorazinhas picaretas que publicarão o que receberam sem sequer ler o material e, com isso, jogarão o nome do escritor na lama.
Quem visita aqui a página sabe que existem inúmeras "editoras" que sequer lêem o que recebem e as publicam, seja por trabalharem com o método de co-participação do autor, por serem amigos dos escritores ou por mero desleixo mesmo, mas vale a pena?
Você terá seu livro finalmente publicado, aleluia, mas quem adquirir sua obra certamente fará um marketing negativo a seu respeito, o que fará com que ninguém mais adquira uma futura obra sua, pois seu nome estará manchado.
Que esse texto sirva como alerta aos novos escritores, que não basta somente ter seu livro publicado, ele tem que ter qualidade para garantir seu futuro.

Entre em contato: litfanbr@gmail.com



4 comentários:

  1. Sem palavras, você disse TUDO que já tentei dizer a colegas (de uma maneira nada didática) e que precisei ouvir de mestres no passado.

    ResponderExcluir
  2. Texto consciente e esclarecedor sobre assunto tão importante para nós, autores novos. Sem ser ofensivo você conseguiu dar uma dica importante. Aproveito a oportunidade para pedir a autorização para usar este seu texto em meu espaço. Mencionarei a fonte e seria legal divulgar esta informação.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Fique a vontade Paul Law, informações relevantes devem ser levadas ao público que desconhece a realidade que existe por trás dos fatos.

    ResponderExcluir
  4. Minha editora é por demanda e eles não fazem nada a não ser colher os lucros. Revisão eu paguei por minha conta e, mesmo assim, passaram alguns erros (procuro escrever com o mínimo de erros, mas o Vernáculo é cheio de armadilhas e a vista vicia depois de várias leituras de um mesmo texto).

    Já avisei a eles que não devo renovar o contrato, pois pra ser vendedora de livros e ter que fazer tudo (escrever, revisar, diagramar etc), é melhor então pagar o ISBN e contratar uma gráfica. Ao menos o custo de cada exemplar sairá mais em conta para o consumidor final.

    ResponderExcluir

Pode chorar...