Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Ainda sobre editoras sob demanda e picaretas...



Por Geyme Lechner.

Gente, é inacreditável o número de picaretas que existe no mercado do livro, principalmente em São Paulo, onde parece que todos estão preparados para enganar e ser enganados. Nada contra a cidade, mas parece que nessa grande capital, é onde estão os lobos famintos, preparados para comer sua cabeça (ou nesse caso propriamente dito, enfiar a mão no seu bolso, enganá-lo com um monte de “vantagens incríveis” e “inovadoras”, promessas mirabolantes e engodo de tolos). Sim, tolos! Por que tolos? Por que nesse ramo da literatura, há tolos para todos os gostos; os queleeme os que escrevem, os que distribuem e os que publicam!O contrato oferecido por essas “Novas editoras” parece o trecho de um livro de fantasia! Suas “biografias”? Sempre iguais similares:
1. Viemos para inovar, para transformar o sonho do escritor em realidade...;
2. Somos “diferentes” de tudo que já existe por aí...;
3. Percebemos as dificuldades dos escritores para publicarem livros e por isso surgimos no mercado...;
4. Não publicamos qualquer um e qualquer obra, após uma análise criteriosa (haha) do seu material, entraremos em contato...;
Oh myGod! Leio essas baboseiras com lágrimas nos olhos, pois eles não parecem uma empresa com fins lucrativos, mas sim, um grupo filantrópico. Na verdade, tenho vontade de enfiar um dedo no olho cada vez que vejo essas descrições, sempre iguais, repetitivas, enfadonhas e ridículas. Se há editoras sob demandas comprometidas? Claro que há! Comprometidas com o bolso delas! Não espere milagres e não tenha esperanças, pois nesse ramo em que você insiste querer se enfiar, todos esses sentimentos são reações de tanso! Eles sequer lerão o texto publicado, acreditem! Você vai fazer fortuna, ficar famoso e ver seu livro em livrarias? Só se for em Marte!
Escritor iniciante, não seja tolo ao contratar essas gráficas (qual ultimamente se auto intitulam “editoras”)! Repito a dica: Antes decontratar o serviço desses macacos editoriais, arrisque um pouco com editoras padrões. Sei que no Brasil é difícil, mas mesmo assim, procure se informar qual delas recebe originais; informe-se sobre a forma de envio e como o material deve ser apresentado. Pesquise e invista um pouco de tempo em inspiração! Se após a espera não houver resultado e você não aguentar a tentação de contratar o serviço dos “Bananas sob demanda”, pelo amor de Belzebu, investigue o máximo que puder sobre o histórico dos mesmos; pergunte a escritores publicados por eles (para isso a facilidade das redes sociais existem) sobre o serviço, a pontualidade, o atendimento, a qualidade de impressão, o cuidado que os símios têm com seu material. Argumente mesmo, informe-se, colha dados, vá atrás! Não deixe sua ansiedade confundi-lo com estupidez! Dúvidas? Entre em contato conosco, se a gráfica editora que você pretende contratar já tiver passado pelo crivo de um de nós, estaremos a disposição para responde-lo, ou quem sabe, encaminhá-lo para quem possa. Será um grande prazer!
Se eu já trabalhei com esses macacos vestidos com terno? Óbvio! São tão tansa quanto a maioria! Por que vocês acreditam que escrevo esses textos???
No mais, bem-vindo à selva e Boa sorte!

Entre em contato: litfanbr@gmail.com


3 comentários:

  1. Acho muito importante esta iniciativa de "abrir os olhos" dos novos autores. Precisamos (e muito) de pessoas que já passaram por várias experiências de publicação para aprender. Temos as nossas e unidas as que lemos por aqui, ficamos menos ingênuos.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. É vero... tem pipocado muito por aí, que faz até parecer que é super fácil abrir firma no Brasil, isso quer dizer que a dificuldade de legalizar o négócio vale a pena, é muito lucrativo!

    Resenhei um livro de uma dessas editoras novatas (que aparentemente não é sob demanda, mas deve ser por detrás dos panos), e havia erros idiotas, como frases iniciadas sem letra maiúscula, até a má construção de parágrafos, que de cara vc vê que não houve nem revisão e nem edição do texto original que receberma! Mas o nomezinhos dos "profissionais" consta na ficha técnica.

    O que tem mesmo que ensinar é o povo não ficar de "realizar sonho", pq é aí que ele se fode! Na hora em que o autor encarar seu livro como FRUTO DE TRABALHO, ele vai deixar de cair em picaretagens. Afinal, ninguém deixa o seu trabalho na mão de qualquer um, né?

    Bjins!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo alerta. Estou para fazer uma publicação sob demanda e vou pesquisar bastante. Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Pode chorar...