Literatura Fantástica Brasileira

Literatura Fantástica Brasileira

Pilantragem Editorial: O Desencanto dos Novos Autores.


Por Geyme Lechner.


Escrever um livro vai muito além de contar uma história. Escrever envolve processos íntimos e profundos, perseverança, paciência. Para cada livro escrito há vários milhares que não passam da primeira página ou que ficam pela metade. Nem todo mundo que pensa em escrever ou começa a fazê-lo consegue terminar o que iniciou, não porque lhes falte inspiração, mas porque lhes faltam a constância e a determinação necessárias para que o projeto chegue ao final. Este texto não é para estas pessoas, embora elas possam achá-lo interessante. Este texto é para aqueles que, após iniciarem seu livro, conseguem terminá-lo e se veem com uma obra em mãos, sem saber direito como torná-la algo físico, com capa, contracapa e orelhas. Algo que outras pessoas comprarão, levarão para casa e passarão horas lendo. Como sair do texto pronto, porém ainda não nascido, para algo concreto chamado livro? Como fazer a obra chegar às mãos dos leitores? Como conseguir uma editora que transforme o sonho em realidade?
O Boom do novo milênio, para aqueles que estão envolvidos de toda e qualquer forma com o mercado editorial, trouxe um centenar de novos escritores e, como consequência, o surgimento de novas editoras para atender a este público que a cada dia se multiplica. Dispondo de um leque de promessas mirabolantes distribuídas por sites que estampam ares profissionais, este caleidoscópio editorial surge para muitos autores novos como a varinha de condão que transformará suas vidas, que fará deles escritores populares e de seus livros, sucessos de venda. É aí que mora o perigo.
Sem experiência e na pressa de ver seus livros publicados, muitos autores desistem de entrar na longa fila de espera das editoras que PAGAM por seus profissionais e migram para a curta fila daquelas que COBRAM para publicar.
A associação que fazemos ao ouvir as promessas e ler os contratos das editoras que publicam sob demanda, é a mesma de funerárias, ou seja: os familiares que enterram seus entes estão dispostos a pagar valores exorbitantes pelo enterro dos seus, assim como os novos escritores a pagar pelo nascimento de suas obras. As funerárias tanto conhecem a vulnerabilidade de seus clientes quanto às novas editoras a dos seus autores, e aqui, enquanto o lado capitalista está disposto a explorar a situação até o ultimo centavo, o outro está disposto a pagar até o ultimo centavo para que o serviço proposto seja feito. Sim, paga-se caríssimo pra nascer, pra casar, pra morrer, e claro, para publicar o próprio livro!
Sem querer apedrejar as novas editoras ou formular uma cartilha para autores iniciantes, deixamos o alerta:
Tem editora oferecendo mundos e ENTREGANDO APENAS OS FUNDOS.
No contrato dessas empresas “realizadoras de sonhos”, o escritor encontra um arsenal completo para transformar o abstrato em concreto: divulgação, vendas, pagamento de direitos autorais acima do mercado, assessoria pós-publicação. Mas o resultado final é um livro mal impresso, de qualidade questionável, erros grotescos, preço final de venda altíssimo, inacessibilidade ao leitor e nenhuma assistência.
Foram incontáveis os livros que recebemos, publicados recentemente por essa nova geração de parceiros (escritores e editoras), onde encontramos erros não apenas de digitação, mas de andamento de texto, pobreza de argumentos, falta de aprofundamento de trama, evidenciando que ali faltaram revisão e a mão do editor. Para que fique claro, é função do editor trabalhar o texto junto ao autor de forma que o livro ganhe melhores contornos e fique mais rico. Também é função do editor recusar um texto por achá-lo ainda imaturo ou superficial, assim como é função também, auxiliar o autor a melhorá-lo. Isso faz um bom editor que PAGA pelo texto, uma vez que seu lucro virá da venda do livro, coisa que nas publicações por demanda fica relegada, na maioria das vezes, a plano nenhum, porque este já RECEBEU o seu quinhão.
Quanto à questão da preparação de texto e correção, é certo que um escritor não é necessariamente um mestre em Português, idioma complicadíssimo e cheio de detalhes, mas um “fabricador” de estórias. É função da editora oferecer uma correção de qualidade superior, um revisor em carne e osso por detrás desses ineficazes “corretores” ortográfico-gramatical de computadores.
A triste verdade por trás das promessas encantadas, é que muitas editoras sequer conhecem as obras que publicam! Isso sem falar ainda, daquelas que prometem distribuição, internacionalidade e agenciamento literário, vendendo o slogan de que foram criadas para “tornar possível o sonho do autor”. MENTIRA! Elas foram criadas para gerar lucro, e aqui, nada contra o ganho destas, afinal, uma editora não é uma entidade filantrópica, mas uma empresa como outra qualquer. Porém, cuidado com a pilantragem desses falsos Messias que não cumprem suas promessas e deixam o dever de casa pela metade.
O mundo editorial, hoje, precisa de MAIS editores comprometidos e MENOS picaretas! Não adianta ter uma produção literária enorme sem qualquer qualidade, sem substância, sem critério. Isso não vai alavancar ou estimular a literatura nacional, só vai servir para engordar as contas bancárias dos autores internacionais, estes sim, vindos de editoras que realmente investem em suas obras, e continuar dando a eles os primeiros lugares nas vendas, nas listas, nos holofotes.
É claro que não há editoras com a faca no pescoço de ninguém, obrigando fulano ou beltrano a publicar aqui ou acolá. São os clientes quem a escolhem! Mas fica a dica:
Ao contratar uma editora, não se apresse! Pesquise nome, as referencias, outras publicações, fale com escritores promulgados pela mesma, indague, exija e usufrua de cada cláusula, uma vez que você é o cliente e tem o direito! E tenha em mente que ninguém fará sucesso do dia para noite, há um caminho a ser trilhado e, a menos que você seja muito influente ou tenha excelentes conexões, você vai ter que passar por ele! Não se deixe levar por pessoas que incham seu ego, não seja presa de sua própria vaidade! Não permita que esta pilantragem de muitos milhares de reais, engula você também.
E lembre-se: Você acha que não vive sem eles, mas na verdade são eles que não sobrevivem sem você!
Desejamos sorte e sucesso pra todos que estão começando agora!
Beijos.


Entre em contato: litfanbr@gmail.com




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode chorar...